Facebook

Olá pessoal...

Visitem nossa página no facebook, lá vocês irão encontrar maneiras mas acessíveis de nos consultar, além de ganharem dicas para construir sua casa com sustentabilidade e garantia de um serviço de ponta!

Peça já o seu orçamento!!!

 

Um forte abraço

Equipe Nakatomi

 

https://www.facebook.com/pages/Nakatomi-do-Brasil/382055608518560?fref=ts

Cobertura Verde: Um Conceito Barato e Ecológico para a Engenharia Civil

Entre os conceitos da construção sustentável, o da cobertura verde de casas e prédios talvez seja o menos conhecido e o que pode causar mais estranhamento.

Na cobertura verde a idéia é construir um “telhado vivo” através do depósito de terra e da plantação de grama no topo das construções.
Os tetos verdes já são velhos conhecidos da humanidade, com registros do uso desta técnica de construção de engenharia civil desde os tempos da antiga Babilônia ( século 6 A.C. ). Na Alemanha do século 19 também era muito comum o uso de coberturas verdes nas construções das casas rurais, as coberturas verdes tornavam a construção mais barata e protegiam as casas contra incêndios.
Mas afinal, qual a vantagem de se cultivar um gramado no topo de uma construção ?? Confira abaixo algumas das vantagens, apresentadas através do conceito de construção sustentável:
• A cobertura verde é barata e pode reduzir os custos da obra sendo vantajosa do ponto de vista da engenharia civil.
• Ela é uma excelente isolante acústica protegendo a casa da poluição sonora da vizinhança ( ideal para grandes cidades !! )
• A cobertura verde ajuda na filtragem da água da chuva, que assim pode ser reutilizada com mais segurança.
• A poeira do ar nas vizinhanças da cobertura verde acaba sendo retida pelas plantas o que torna o ar mais puro.
Construções Sustentáveis: Projeto Básico de um Telhado Verde

Mas como nem tudo são vantagens, a cobertura verde em relação ao telhado tradicional tem a desvatagem de precisar de manutenção: de tempos em tempos a grama deve ser aparada e também folhas e pedaços secos de planta devem ser retirados das calhas para evitar entupimento.

Custo da construção em Porto Alegre é o mais caro do país

O Índice Nacional de Custos da Construção - Mercado (INCC-M) acelerou para 3,67% em julho na cidade de Porto Alegre. No mês passado, a taxa registrada na Capital ficou em 0,55%. A média nacional do INCC-M ficou em 0,73%, mostrando desaceleração ante a alta de 1,96% de junho, anunciou nesta sexta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). Até julho, o INCC-M acumula altas de 6,38% no ano e de 7,75% em 12 meses.

Quatro capitais registraram desaceleração em suas taxas de variação: Brasília (de 2,86% para 2,01%), Belo Horizonte (de 0,02% para -0,01%), Rio de Janeiro (de 0,38% para 0,10%) e São Paulo (de 3,56% para 0,16%). Em contrapartida, além de Porto Alegre, apresentaram aceleração Salvador (de 0,16% para 0,19%), Recife (de -0,04% para 0,31%).

O grupo materiais, equipamentos e serviços registrou variação positiva de 0,37% em julho, de +0,58% apurada na leitura do mês anterior. O índice relativo a Materiais e Equipamentos subiu 0,43% neste mês, ante +0,54% em junho, enquanto o referente a serviços avançou 0,15% em julho, ante 0,71% no mês anterior. O índice referente à Mão de Obra, por sua vez, subiu 1,05% no sétimo mês do ano. Em junho, a taxa havia sido de 3,24%.

O INCC-M foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 de junho e 20 de julho.

Construção civil cresce 10% em Caxias do Sul

O cenário para os próximos meses, no mercado imobiliário de Caxias do Sul, é de crescimento. No ano de 2010 foram aprovados, pela prefeitura de Caxias do Sul, mais de um milhão de metros quadrados em projetos de construção (1.045.918,13 metros). Em 2011, o crescimento foi superior a 10%, totalizando 1.158.004,26. Em torno de 60% destes projetos são residenciais.

A expectativa é de que, agora, muitos destes projetos saiam do papel. O bom desempenho do setor está associado ao aumento de renda da população, juntamente com as políticas governamentais de incentivo e com a maior oferta de crédito.

O mercado imobiliário caxiense tem colocado à disposição uma gama variada de empreendimentos, tanto residenciais como comerciais.  O perfil do consumidor caxiense distribui-se entre as diversas faixas de mercado.

De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil de Caxias (Sinduscon Caxias), após um período de mais de 20 anos de baixa atividade, desde 2008 o segmento da construção civil voltou a crescer de forma sustentada, graças a uma série de medidas implementadas pelo governo que estimularam o empreendedorismo do setor e o consequente lançamento de empreendimentos imobiliários.

O mercado tem sido o protagonista, mas o setor de obras de infraestrutura também registra bom desempenho estimulado, sobretudo, pelas obras públicas. A construção civil tem uma grande capacidade de absorção de mão-de-obra e geração de renda para as camadas mais carentes e está sendo utilizada pelo governo como estratégia anticíclica para aumentar o consumo dos cidadãos e contornar os efeitos causados pela crise no mercado europeu.

Apesar do bom desempenho, é necessário combater alguns entraves como a falta de mão-de-obra qualificada, a burocracia e a elevada carga tributária, que afetam tanto a construção civil caxiense quanto a nacional. O Sinduscon Caxias estima para este ano um crescimento menor: a construção civil no município deve ter incremento de 5%. O número tem como limitador a velocidade de vendas e a capacidade produtiva, afetada pela falta de mão-de-obra.

Nakatomi do Brasil Construtora (54) 9999.9449 / (54) 3029.4766 - Caxias do Sul - RS

Facebook

Nakatomi do Brasil Construtora © Copyright 2019 - Todos os direitos reservados.

Digital Feeling Estúdio de Criação WCM3 Agência Web